Central de Comando e Controle Contribui para a Prevenção e Combate à Criminalidade

Crédito: Rodrigo de Aguiar/PMRG

A Central Integrada de Comando e Controle (CICC), mantida pela Superintendência Municipal de Segurança, está em atividade desde o dia 16 de dezembro de 2014 e de lá para cá vem contribuindo no trabalho de vigilância e de investigação das forças de segurança pública que atuam no município. A sala de vídeomonitoramento está instalada no prédio do Gabinete de Gestão Integrada (GGI) e é operada por guardas municipais durante as 24 horas do dia.

Renan Mirailh é um dos coordenadores responsáveis pelo gerenciamento do espaço que contribui para o diagnóstico de ocorrências flagradas e atendidas nos mais diversos pontos do município. Em um relatório, produzido a partir da coleta de dados pela equipe do GGIM, foi possível constatar que em 2015, durante o primeiro ano de funcionamento da CICC, 47 condutas criminosas foram identificadas pelos operadores, enquanto que nos anos de 2016 e 2017 os números chegaram a 146 e 172, respectivamente.

Segundo o responsável pela gestão do espaço, esse crescimento se justifica em virtude da habilidade adquirida pelos profissionais que dedicam a cada turno 12 horas para observar o que acontece nos pontos guarnecidos pelo cercamento eletrônico. Em caso de ocorrência, os operadores informam as viaturas próximas e realizam o acompanhamento do suspeito, além de repassar informações complementares para os policiais ou guardas municipais que estiverem em deslocamento.

Atualmente, 18 câmeras fazem o monitoramento da zona central e outras três captam a movimentação na Via 1. Existem, ainda, outros 15 equipamentos, os quais são operados diretamente pela Brigada Militar, que promove o espelhamento das imagens para a central.

Já no Cassino, 13 equipamentos estão a serviço da comunidade para garantir a tranquilidade de quem reside na temporada ou durante todo o ano no balneário. Também é de responsabilidade da CICC o monitoramento das oito câmeras instaladas em cada um dos 33 postos de saúde e das 16 espalhadas pela estrutura do Mercado Público.

De acordo com o Superintendente de Segurança e Proteção Social, Daniel Nascimento, o sistema surgiu para promover uma integração entre os órgãos de segurança que atuam em Rio Grande, além de contribuir para a produção de provas, elementos considerados fundamentais para o embasamento das investigações. Ainda conforme Nascimento, está sendo analisada a possibilidade de elaboração de convênios com os municípios limítrofes para permitir o compartilhamento de informações e ampliar a área de abrangência, formando uma verdadeira rede eletrônica de videomonitoramento.

Captação de Longo Alcance

A tecnologia embarcada nas câmeras permite que uma situação suspeita seja captada a uma distância de até dois quilômetros do ponto onde ela está instalada e as imagens ficam armazenadas nos servidores pelo período de 30 dias. Para se ter uma ideia da importância das filmagens e da central, Mirailh explicou que até mesmo a Polícia Federal já utilizou o espaço para uma investigação de tráfico de drogas, realizando posteriormente a prisão dos envolvidos.

Atendimento de Questões Relacionadas ao Trânsito

Outra situação bastante comum flagrada pelas câmeras são as colisões de trânsito em que são registrados apenas danos materiais e com um dos envolvidos fugindo do local. Em situações como essas, muitos motoristas já foram identificados através da placa e procurados para indenizar os prejuízos.

Nesse caso, Renan explica que o motorista precisa registrar a ocorrência na delegacia e com o boletim em mãos solicitar a filmagem do acidente. Depois de localizadas, as imagens são encaminhadas diretamente à Polícia Civil para a sequência da investigação.

O Gabinete de Gestão Integrada Municipal está localizado na Rua Vice Almirante Abreu, nº 739.

Assessoria de Comunicação/PMRG

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.