O Amor de Mãe

Passei a gestação inteira me questionando sobre aquele amor de mãe que escutamos falar desde pequenos, aquele amor avassalador, sem medidas e inexplicável.

Não estou dizendo que eu não a amava, pelo contrário, a amei desde que soube que ela estava comigo, sabia que minha vida mudaria, mas nem fazia ideia do quanto.

E por muitas vezes me questionei se estava vivendo essa transformação de menina/mulher a mãe/protetora da forma certa. Achava que faltava sentir com toda essa intensidade que todos falavam.

Quando ela nasceu, foi instantâneo a nossa ligação. Foi como se ela estivesse comigo desde sempre, é clichê, eu sei, mas tenho convicção que são os filhos que nos escolhem e que com eles aprendemos mais do que podemos ensinar, inclusive sobre esse tal amor aí.

Pelo contrário do que eu imagina que seria, fui conhecer esse amor intenso e sem medidas com o tempo, com trocas de olhares, toques entre eu e ela, amamentação em livre demanda até um ano e exclusiva até os seis meses, muitas trocas de fraldas, banhos… e assim eu vi esse amor se construir dentro de mim e ultrapassar essa barreira que eu havia criado. O que aprendi é que não existe certo ou errado, cada um sente de uma forma, queria ter compreendido isso antes.

Mas tá tudo bem, hoje falo desse amor com todo meu coração, e sinto ele com toda intensidade.

Não se cobre, não crie expectativas, não idealize, apenas sinta e se permita viver todas as fases. E não se esqueça, somos todos diferentes!

Autora: Alice de Leon

Foto: Arquivo Pessoal

Siga no Instagram: instagram.com/o_mundo.daduda/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 + 14 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.