Não basta saber é preciso sentir

O que nos torna ser o que somos? Nossas funções biológicas? O nosso jeito de ser? As nossas emoções? O nosso papel na sociedade? Há uma única resposta para essa pergunta? Provavelmente não! E, se, talvez, não haja a possibilidade de saber sobre esse questionamento, levando em conta a época (final do ano) e situação em que estamos vivendo, é possível que saibamos refletir acerca das nossas vidas, nossas escolhas, qual o sentido de estarmos aqui. Com isso, muitas coisas surgem, sobretudo, no que diz respeito ao que buscamos, desejamos, almejamos, etc. Sendo assim, outros tantos fatores também se colocam, tais como: do que sentimos mais falta? Então, você é capaz de responder essa pergunta? Parece fácil, não é mesmo? No entanto não é, porque para saber do que sentimos falta é preciso saber, exatamente, se deixamos de ter, mesmo por um período, e/ou perdermos algo e, nesse caso, não basta saber, mas sentir, sentir de verdade.

Ana Paula Emmendorfer (Professora de Filosofia e Lógica – Doutora em Filosofia/Unisinos-RS)

Foto: Pixabay

Siga no Facebook: facebook.com/logosreis/

Siga no Intagram: instagram.com/logosreis/

Siga no YouTube: youtube.com/logosreis/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois + vinte =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.