Vacina pentavalente deve chegar a Rio Grande nos próximos dias

A Secretaria de Município da Saúde informa à população em geral que, nas próximas horas, o Ministério da Saúde deve encaminhar ao estado 41 mil doses da vacina pentavalente, que se encontrava em falta em todo o território nacional, desde julho de 2019. A informação chegou ao secretário Maicon Lemos, nesta quarta-feira (8), no final da tarde. A vacina pentavalente garante a proteção contra a difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e contra a bactéria haemophilus influenza tipo b, responsável por infecções no nariz, meninge e na garganta.

“Assim que as vacinas chegarem em solo gaúcho, equipes da Vigilância Epidemiológica no município estarão se deslocando para buscá-las. Quando estiverem em Rio Grande, faremos a devida divulgação à população”, comentou o secretário Maicon Lemos, que também está presidindo o Conselho de Secretários Municipais do Rio Grande do Sul, e agradeceu ao Ministério na priorização do abastecimento destas vacinas ao estado.

Conforme consta no site do Ministério da Saúde, a vacina pentavalente é a combinação de cinco vacinas individuais em uma. O objetivo é proteger as pessoas contra múltiplas doenças ao mesmo tempo. Desde 2012, o Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, oferta a vacina pentavalente na rotina do Calendário Nacional de Vacinação. As crianças devem tomar três doses da vacina: aos 2, aos 4 e aos 6 meses de vida. Os reforços e/ou complementações em crianças a partir de 1 ano são realizados com a vacina adsorvida difteria, tétano e pertússis (DTP).

Para ofertar a pentavalente no calendário de vacinação do SUS, o Brasil compra a vacina via Fundo Estratégico da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), uma vez que não existe laboratório produtor no país.

Assessoria de Comunicação PMRG

Foto: Divulgação PMRG

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.