Rede de acolhimento da Prefeitura do Rio Grande apoia pessoas em vulnerabilidade social

Com a chegada do inverno a rede de acolhimento da Prefeitura passou a ser mais procurada por pessoas em situação de rua e famílias em vulnerabilidade social. A cada dia aproximadamente 200 pessoas são atendidas nas unidades responsáveis por distribuir refeições, cobertores e oferecer leitos para passar a noite.

“A prefeitura do Rio Grande está preparada para estes dias de frio e aqueles que ainda virão. Os serviços de busca ativa das pessoas em situação de rua, a alimentação e o acolhimento, estão em pleno funcionamento. Não precisa ninguém dormir na rua, pois aumentamos as vagas no acolhimento noturno, para dar o melhor para a nossa população”, afirma o secretário de Cidadania, Evandro da Silveira.

No Restaurante Popular, mantido através da parceria entre a Prefeitura e a Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Humanos (ADRA) são servidas 160 refeições por dia, 60 exclusivas para a população de rua e outras 100, vendidas por R$ 2,00 para pessoas inscritas no Cadastro Único.

“Normalmente distribuímos todos os pratos que preparamos. Somos responsáveis pelo preparo dos pratos no horário do almoço e todo nosso trabalho é realizado por voluntários que visam cuidar do bem estar do próximo”, diz Cristiano Freitas, coordenador do núcleo da ADRA em Rio Grande.

Uma destas voluntárias é Fabiana Xavier, moradora do Centro de Assistência Renascer no Espírito (CARE), que decidiu apoiar o projeto pelo qual ela mesma é beneficiada. “Frequentei a antiga Sociedade Riograndina de Auxílio aos Necessitados (Soran) e posso dizer que no CARE o acolhimento é mais humanizado, isso nos motiva a querer devolver para a instituição um pouco do que fez por nós”, afirma.

Grupos independentes

A pareceria entre ADRA e Prefeitura possibilitou organizar grupos que já atuavam no atendimento da população em situação de rua, que agora atuam de forma coordenada. Desta forma em cada dia da semana, uma entidade fica responsável por distribuir refeições noturnas para pessoas em situação de rua.

Ao todo são sete grupos, que participam das ações: Projeto Esperança Viva (segunda-feira), Renascer no Espírito (terça-feira), Anjos da Noite (quarta-feira), Quinta-feira Santa (quinta-feira), Voluntários do Amor (sexta-feira), Rio Grande sem fome (sábado) e PS Amor e Caridade (domingo).

Para a voluntária Maria Paula Esperon, integrante do projeto Quinta-feira Santa, ajudar o próximo é algo que vai além do sentimento de gratidão. “Eu sou voluntária a seis anos e amo o que nós fazemos aqui, não é só preparar um prato, é cozinhar com amor, é colocar além do tempero muito carinho no que será servido a quem mais precisa”, diz.

A prefeitura auxilia no processo de entrega das refeições preparadas pelos sete grupos, disponibilizando carro e motorista para fazer o serviço.

Abrigo contra o frio

O CARE é outro fruto da parceria entre a prefeitura e a ADRA, o local é um centro de acolhimento noturno para a população em situação de rua, onde além de uma cama quente, é oferecido banho, lavanderia, dormitórios e serviços de assistência social.

Para o ex-albergado Robson Alves, a estrutura e o atendimento prestado pelo CARE são únicos. “Faz dois anos que sai, hoje consegui alugar um cantinho, mas no tempo em que estive ali o acolhimento era muito bom, tínhamos cobertores, toalhas, roupa lavada, ganhávamos aparelho de barbear, escovas de dentes, éramos muito bem servidos. Na minha época não tinha janta todos os dias, fico feliz em saber que agora há refeição todas as noites”.

Atendimento nas ruas

Para quem está na rua e não aceita ir para o abrigo do CARE, a Secretaria de Cidadania oferece atendimento através do Serviço Especializado em Abordagem Social (SEAS), que realiza diariamente atendimentos de forma programada e continuada, com o objetivo de garantir as pessoas em situação de vulnerabilidade social, uma melhor qualidade de vida e acesso aos direitos.

As equipes realizam entregas de cobertores, identificação dos indivíduos com direitos violados e ações para reinserção familiar e comunitária. A cada dia 15 pessoas são atendidas nas ruas e desde o começo desta onda de frio já foram entregues aproximadamente 40 cobertores aos moradores de rua.

As abordagens são feitas de três maneiras: busca ativa, procura espontânea e denúncias. A equipe que atende a essas demandas é formada por uma Assistente Social, um Educador Social e uma Psicóloga. “Estamos sempre nas ruas tentando levar dignidade e acesso aos direitos para essas pessoas. Muitos não aceitam ir para o abrigo do Centro de Assistência Renascer no Espírito (CARE), é uma escolha deles, por isso, intensificamos os cuidados com eles e seguimos monitorando sempre”, diz a assistente social, Fernanda Soares.

Assessoria de Comunicação Social Prefeitura Municipal do Rio Grande

Foto: Divulgação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.