Programa RS Criativo completa dois anos de fomento à economia criativa

Desde a sua criação, mais de 6 mil pessoas já foram capacitadas

Julho de 2021 marca o aniversário de dois anos das atividades do RS Criativo, programa estratégico criado em 2019 pelo governo do Estado, por meio da Secretaria da Cultura (Sedac), executado em convênio com o Ministério do Turismo (Secretaria de Economia Criativa). Nesse período, o RS Criativo atuou na promoção do desenvolvimento socioeconômico sustentável e integrado do Estado a partir do fortalecimento de cadeias e arranjos produtivos relacionados à economia criativa.

O funcionamento do RS Criativo é baseado em cinco pilares: capacitação; mercado e circulação; promoção e investimento; pesquisas; e territórios criativos. Com caráter inclusivo, o programa oferece atividades para pessoas envolvidas em diversos setores criativos, interessadas em empreender ou se aprimorar nas áreas da cadeia produtiva.

Desde a sua criação, mais de 6 mil pessoas já receberam capacitações por meio de cursos, oficinas e workshops. Suas ações foram potencializadas por caravanas, que levaram cursos para nove regiões do Estado. E mesmo com a pandemia, que impossibilitou grandes encontros entre 2020 e 2021, o trabalho não perdeu o fôlego: as capacitações on-line, inclusive, ampliaram o alcance do programa. Em 2021, houve diversos projetos em transversalidade com outras secretarias, além de busca de parcerias com a iniciativa privada e instituições de ensino.

Para além de capacitar os empreendedores criativos, o RS Criativo se dedicou ao estudo do setor, buscando um entendimento profundo sobre o mercado e as condições de trabalho. Com o apoio e a parceria do Departamento de Economia e Estatística do Estado (DEE), o programa já realizou e apoiou mais de dez pesquisas sobre a economia criativa, abordando nichos como as cadeias produtivas da moda, da música, do setor editorial e os empregos formais na economia criativa, entre outros temas.

Para o segundo semestre de 2021, o RS Criativo apresenta importantes iniciativas, como o Mês Especial do Dia do Patrimônio (vasta programação relacionando empreendedorismo, territórios criativos e patrimônio), o início do 2º Ciclo de Residência Criativa (cursos e mentorias para empreendedores alavancarem seus negócios), o Circuito Jovem Empreendedor Criativo, em parceria com o programa RS Seguro e a Escola de Governo (EGov), as Caravanas RS Criativo 2021/2022 e o RS Diverso, além de muitas outras ações que podem ser acompanhadas pelas redes do programa (Facebook e Instagram).

“O RS Criativo é um modelo para programas de outros Estados. São dois anos de muito trabalho na busca de melhores condições aos trabalhadores. Plantamos uma sementinha, e sua rega e cuidado rendem frutos diversos e importantes ao Rio Grande do Sul”, pontua a coordenadora do programa, Carolina Biberg.

Conforme aponta a assessora especial de Artes e Economia Criativa da Sedac, Ana Fagundes, as perspectivas para o futuro são promissoras. “O nosso objetivo para 2021 e 2022 é dobrar o número de empreendimentos e empreendedores alcançados pelos cinco eixos de atuação do RS Criativo, apoiando a criação dos programas municipais de economia criativa, oferecendo as ferramentas necessárias para que eles consigam desenvolver o setor nos territórios, de forma efetiva”, projeta.

“É motivo de muito orgulho poder ressaltar que a economia criativa representa 4% do PIB gaúcho e que a Sedac faz parte de um governo que acredita e aposta na força da economia criativa”, destaca a secretária da Cultura, Beatriz Araujo.

“O RS Criativo mostrou potência desde o início. Para o governo do Estado, executar um programa com a responsabilidade que representa o setor da economia criativa, é desafiador e instigante. Os números mostram que estamos no caminho certo e, podem ter certeza, o RS Criativo continuará recebendo incentivo e suporte para ser a vitrine da economia criativa no Rio Grande do Sul”, afirma o governador Eduardo Leite.

Economia criativa

Uma pesquisa desenvolvida pelo DEE, divulgada em dezembro de 2019, aponta que o setor da Economia Criativa é responsável por 130 mil empregos formais no Rio Grande do Sul – ultrapassando segmentos como o da indústria calçadista e automobilística.

O Estado registra mais de 48 mil microempreendedores que atuam em áreas como publicidade, artes visuais, literatura, música, audiovisual, ensino da cultura, design, moda, entre outras. Entende-se por economia criativa o conjunto de negócios baseado no capital intelectual e cultural e na criatividade que gera valor econômico.

Ascom Sedac RS

Foto: Solange Brum/Ascom Sedac RS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.