Monumento ao homem vivo

Todas as gavetas estavam abertas. As lápides caídas, os mausoléus arrombados, a cidade em ruínas.

Nenhum som no decorrer da noite, nenhuma perturbação. Ninguém para elucidar o acontecido.

De pá na mão, o coveiro perambulou pelas ruas vazias à procura de uma alma viva. Estava só.

Ajoelhou-se frente a um monumento erguido em homenagem ao único sobrevivente.

Na placa fixada no mármore reconheceu seu próprio nome e data de nascimento. O último homem na Terra. Condenado a viver eternamente em completa solidão.

Mas o que mais lhe perturbava era não saber quem erguera o tal monumento.

Autor: Rody Cáceres/Inspira

Foto: Pixabay

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.