Entrevista com Lucas Elizalde, Gerente da Unidade Yara Rio Grande

Nesta segunda-feira (20/07) a Jornalista Thuanny Cappellari, do Rio Grande TEM, conversou com Lucas Elizalde, Gerente da Unidade Yara em Rio Grande, sobre as diversas ações sociais solidárias frente à pandemia, as mudanças estruturais na unidade e os impactos durante esse período.

  • Desde o início da pandemia houve alguma mudança na operação da empresa?

Sem fertilizante não há agricultura, por isso, o nosso trabalho é essencial para garantir o alimento na mesa da população. Promovemos mudanças estruturais nas equipes. Como por exemplo, antes da pandemia, havia um turno que trabalhava 21 dias e folgava 7 dias. Agora eles trabalham 14 dias e folgam 14 dias. Também reduzimos o número de colaboradores na planta. Aprendemos muito com o histórico da Europa durante a pandemia. Alguns serviços, inclusive, foram cancelados. Evitando, neste momento, a aglomeração.

  • A Yara realiza ações de prevenção? Quais?

Desenvolvemos ações de prevenção em diversos setores. Na linha de ônibus, que leva os colaboradores para a Unidade, a lotação máxima permitida no veículo é de 50%. Colocamos divisórias nas mesas do refeitório e nos casos em que é possível, o funcionário recebe uma marmita para fazer a refeição em outro local, como o escritório, por exemplo. Realizamos a aferição de temperatura para todos que ingressam na Unidade. Reforçamos a higienização com equipe de limpeza disponível 24 horas por dia. Adquirimos testes para a Covid-19 que são utilizados quando ocorre algum caso suspeito entre colaboradores ou terceirizados.

A compra dos testes alivia a carga do sistema público. Executamos uma série de ações para diminuir o fluxo de funcionários, garantindo maior cuidado na planta industrial.

  • A Yara trabalha com alguma alternativa de trabalho remoto? Como?

Sim, os colaboradores que são do grupo de risco foram imediatamente afastados. Quem pode, passou a trabalhar de casa, alguns funcionários comparecem em dias alternados ou uma vez por semana, contribuindo para não haver aglomeração.

Em casos em que não é possível o home office, porque o funcionário atua na planta industrial, mesmo assim, se for do grupo de risco, ele permanece em casa e tem a remuneração 100% integral. Nós não participamos de nenhum programa do Governo para a redução de salários, entendemos que é um período tenso para todos e nossos colaboradores têm famílias que também passam por um momento difícil. Optamos por manter o pagamento integral mesmo aos que ficam em casa. São diferentes soluções para cada caso.

  • A Yara desenvolve ações de prevenção frente a pandemia? Quais?

Sim, realizamos a doação de 10 mil máscaras aos colaboradores e suas famílias. Sabemos que é um período de estresse, tensão a todos, e nossos funcionários, têm a preocupação com seus parentes. As máscaras ajudam e reforçam os cuidados quando todos precisam sair.

Outra ação, é que se um funcionário não estiver se sentindo bem, ele tem a opção de conversar com o líder de seu setor e será encaminhado para ajuda médica, ou se preferir, pode buscar o médico da empresa diretamente.

Outra possibilidade, é o QR Code, desenvolvido especialmente no período da pandemia e é uma forma de proporcionar apoio a saúde mental do trabalhador (iniciativa criada há aproximadamente dois meses). O funcionário pode aproximar o QR Code disponível nos principais pontos com maior fluxo na fábrica. Ele responderá perguntas através de um questionário. A primeira delas é “Como tu estás te sentindo”.  Posteriormente, uma equipe entra em contato com o colaborador para auxiliar e tratar conforme for preciso. Diante da pandemia, mantemos atualmente, uma atenção maior em relação a saúde e se houver necessidade, retiramos o colaborador da função.  Também há muita conversa e ações de conscientização.

  • Quais as principais ações sociais da Yara em Rio Grande?

Uma ação que nos orgulha muito, e sempre que é possível levamos para o conhecimento fora do País, é o projeto do Centro de Convívio Meninos do Mar (CCMAR), conduzido pelo Lauro Barcellos, chamado “Do canteiro ao prato”.

Nesse projeto os jovens em vulnerabilidade social trabalham nas estufas com as plantações, aproximando-os ao agronegócio nacional. Toda produção é doada para entidades carentes e hospitais.

A doação das máscaras realizada recentemente, colabora para que as pessoas entendam a importância em promover o autocuidado. Usando máscara seja no local de trabalho, no supermercado ou em qualquer ocasião que precise sair.

A doação de 750.000,00 (setecentos e cinquenta mil reais) para o Hospital Universitário Miguel Riet Corrêa Junior (HU-Furg/Ebserh) que equipou 10 semi leitos para atendimento de pacientes da Covid-19. Metade do valor já foi depositado ao HU-Furg/Ebserh para aquisição dos monitores.

  • Qual o legado da Yara nesta pandemia?

A Yara está tendo a oportunidade de mostrar no que realmente acredita. Não só para a cidade, mas para a própria empresa e aos times (nome atribuído as Equipes da Unidade). As ações realizadas aqui, frequentemente, surgem a partir de conversas entre os colaboradores. A doação de alimentos é uma delas. Notamos os funcionários organizando pontos de coleta na fábrica para arrecadar alimentos a locais e instituições que necessitavam. A partir daí, doamos cestas básicas para a Associação de Moradores do Bairro Getúlio Vargas, para que a Associação, que sabe da realidade de cada morador, distribuísse para as famílias. Somos apoiadores do banco de alimentos e também promovemos a doação para a Fundação de Apoio à Universidade do Rio Grande (FAURG). Doamos cerca de duas toneladas de alimentos para as intuições.

No legado temos as inciativas internas que agora podem ser observadas externamente. A exemplo da paródia sobre a pandemia e a atuação da empresa, criada pelos colaboradores. Quando escutamos, quisemos registrar essa ação. Oferecemos apoio a essas iniciativas desenvolvidas na Yara e que impactam no cenário que vivemos.

  • Qual a mensagem, neste período sensível, ao povo rio-grandino?

Resumiria que é preciso nos ajudarmos. Nós moradores da cidade, precisamos nos unir, fazer o dever de casa, porque apenas uma pessoa se não cumprir as orientações de prevenção, pode contaminar muitas outras e por isso, precisamos de apoio de todos. Não há espaço para divergências. É hora de apoio coletivo.

Assista ao vídeo publicado nesta segunda com a paródia desenvolvida pelos colaboradores e produzido com apoio da Yara

Na data em que é celebrado o dia do amigo, a Unidade lançou um vídeo, desenvolvido a partir da iniciativa dos colaboradores. A temática é a pandemia e tudo começou com uma paródia criada pelos times. A Yara então decidiu registrar tudo em uma produção que conta com a participação dos familiares. Uma mensagem especial para o momento de pandemia.

Jornalista Thuanny Cappellari/Rio Grande TEM

Foto: Reprodução

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.