BM reforça campanha de doação de sangue para incentivar reposição de estoques em hemocentros

Período de pandemia e o inverno provocam acentuada redução nos suprimentos

Como apelo aos gaúchos para colaborarem com a reposição dos bancos de sangue de hospitais no Estado, que sofreram baixa nos estoques neste período de pandemia, a Brigada Militar reforça para toda a corporação a Campanha Sangue Brigadiano. A iniciativa é uma ação permanente que incentiva policiais militares a realizarem doações.

Além da menor circulação de pessoas provocada pelo necessário distanciamento social em prevenção ao coronavírus, o inverno contribui para deixar ainda mais crítica a situação nos hemocentros. Durante a estação, com a queda na temperatura e dias chuvosos, já costuma haver redução nos estoques e crescimento na demanda. O cenário de baixa ficou mais grave com a pandemia.

Conforme a Portaria nº 615/EMBM/2015, que regula a prática na instituição, basta ao militar estadual solicitar autorização ao comandante de pelotão ou chefe de seção em que estiver lotado. Quando destinada a familiares, o ato é autorizado de plano. Nos demais casos, é feita apenas uma análise de conveniência para que a dispensa na data da doação não prejudique o serviço de policiamento – o dia é considerado como de efetivo trabalho.

Para preservar a saúde física dos militares, tendo em vista a natureza das atividades, são permitidas até três doações voluntárias de sangue por ano, exceto nos casos em que se destinar a familiares.

A Campanha Sangue Brigadiano, além dos militares estaduais, procura incentivar outros cidadãos que possam contribuir para recuperar os estoques nos bancos e hospitais do RS. Cada doação pode beneficiar até quatro pessoas.

Até o momento, não existe evidência científica de transmissão dos coronavírus por transfusões sanguíneas. Ainda assim, o Ministério da Saúde emitiu recomendações preventivas relacionadas ao contágio pela Covid-19.

Candidatos à doação de sangue que tenham viajado para países onda haja contaminação pelo novo coronavírus ficam impedidos de doar por 14 dias após o retorno. O mesmo vale para quem teve, nos últimos 30 dias, contato com pessoas que apresentam os sintomas ou tiveram diagnóstico de infecção confirmado – o impedimento dura por 14 dias após o último contato.

Pessoas que tenham sido infectadas pelo coronavírus estão impedidas de fazer doação de sangue pelo período de 30 dias após a completa recuperação, estando assintomáticos e sem sequelas que contraindiquem a doação.

Confira os pré-requisitos e impedimentos básicos

Pré-requisitos para doação
• ter de 16 a 69 anos;
• primeira doação antes dos 60 anos;
• pesar 50kg ou mais;
• ser saudável;
• não estar em jejum;
• apresentar documento de identidade com foto;
• menores de 18 anos devem estar acompanhados de responsável legal.

Impedimentos para doação
• gravidez ou amamentação;
• doença de Chagas;
• hepatite após os 11 anos de idade;
• diabetes;
• hipertensão;
• comportamento de risco para aids;
• uso de bebida alcoólica há menos de 12 horas da doação;
• ter doado há menos de 60 dias para homens e 90 dias para mulheres;
• ter feito tatuagem ou piercing há menos de um ano;
• ter piercing na boca ou na língua.

Na capital, para evitar aglomerações, o Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HPCA) disponibiliza um sistema de agendamentos on-line. O Banco de Sangue funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, e aos sábados, das 8h às 12h. Telefones de contatos são (51) 3359-8504 ou (51) 3359-8505.

→ Clique aqui e acesse área no site da Secretaria Estadual da Saúde (SES) com um mapa com a localização e todas as informações de contato e funcionamento dos hemocentros públicos no Rio Grande do Sul

Assessoria de Comunicação Secretaria de Segurança Pública e Assessoria de Comunicação Brigada Militar

Foto: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 2 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.